quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Bolo integral de banana com gotas de chocolate {Bolo Dos 7 Copos}

                     Torta dei 7 vasetti

                     3 medidas de farinha
                     2 medidas de açúcar
                     1 medida de óleo
                     1 medida de líquido
                     3 ovos
                     1 c.sopa fermento
                     raspas de cítricos

Bata bem os líquidos, adicione os secos, misture apenas até a massa ficar homogênea, transfira-a para uma forma untada e asse a 180ºC, por aproximadamente 45 minutos.


sábado, 24 de outubro de 2015

Pão integral de painço [com óleo de gergelim]




Esse pão é muito diferente; os grãozinhos de painço dão uma crocância diferente, e ele fica muito bom para montar pizzinha de forno e  sanduíches, especialmente os quentes! Só não vá se empolgar e cortar uma fatia generosa, porque ele é potente, com um poder de satisfação diferenciado... Uma boa arma para aquela marmita no trabalho, para lanches em longas viagens ou para quem está de regime; um pão para alimentar o mundo!

Sua preparação é simples, mas tem quatro etapas de fermentação, então é bom se programar antes de começar a colocar a mão na massa; o bom é que uma receita rende dois pães, e um pode ser congelado, inclusive em fatias!

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Bolo cannoli



Inspirado nos irresistíveis cannoli, esse bolo leva ricota, especiarias, raspas de cítricos, chocolate, castanhas e vinho italiano. É súper fácil de fazer, assa que é uma maravilha, e fica ainda melhor nos dias seguintes - não pense duas vezes se precisar prepará-lo com antecedência!

Eu diria que é um bolo bem versátil; troque o tipo da castanha ou da bebida, a ricota por um iogurte denso, o chocolate por passas hidratadas, ou adicione uma pitadinha de erva doce (e chame-o de bolo crostoli), mas faça essa maravilha!

Para aproveitar a ricota que sobrou preparei um creminho que ficou muito delicado - tive de escondê-lo de mim mesma para não devorar tudo antes do bolo ficar pronto! Quem quiser fazer uma apresentação especial pode dobrar a quantidade para usar o creme como cobertura e finalizar com algumas castanhas quebradas. Lindeza com cara de coisa da Patrícia...

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

A incrível salada de feijão fradinho [que foi parar na revista Menu!]

 

O ingrediente especial de certas comidas é o tempo... Uma simples salada de tomate, cebola roxa, pimentão verde e feijão fradinho, temperada com cebolinha, sal, balsâmico e azeite, se transformou em um acompanhamento muito especial! Preparei-a de manhã, antes de sair de casa, e deixei-a coberta, mas fora da geladeira, para que os ingredientes soltassem seus sucos e formassem um molho único. Simplesmente perfeita!

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

massa de feijão verde com gengibre e óleo de gergelim [harussame, o miojo de gente grande, e de quem não pode comer glúten!]


miojo de gente grande, o harussame também salva quem não pode consumir glúten!


Adoro canja de galinha; não tenho a menor dúvida que prepararia essa sopa toda vez que tivesse caldo de frango em casa, mas o Ebraim acha que colocar arroz no caldo é coisa do diabo, então acabo usando o caldo com massas recheadas, com panquecas enroladas e cortadas em tirinhas (como os mexicanos fazem com tortillas), como base para outras sopas ou para cozinhar grãos. Não entendo como alguém pode desprezar algo com tanto sabor! E para quem diz que não usa porque é muito gorduroso, compre o peito com osso e sem pele, depois cozinhe-o em uma panela grande, com água e os mesmos temperos que você colocaria em um caldo de legumes (cebola, alho, cenoura, salsão e ervas frescas, por exemplo). Depois de pronto, retire o frango e coe o caldo para um pote de vidro; a pouca gordura que ali existe se solidifica e fica sobre o caldo, então, se fizer questão, é só retirá-la - mas ressalto que isso não é necessário; a lâmina que se forma voltará a ficar fluida quando o caldo for aquecido, e trará muito sabor!

E quando não faço sopa, não tenho massa recheada, não preciso cozinhar grãos ou (e principalmente!), quando estou sem tempo, sem vontade de cozinhar e sem paciência de lavar louça, faço um miojo de gente grande; ridiculamente fácil e absurdamente reconfortante. 

A massa de feijão verde cozinha muito rápido, então apenas coloco-a no prato onde será servida e a cubro com o caldo bem quente. Para temperar, gotas de gengibre espremido e óleo de gergelim torrado. Apenas isso, simples e perfeito, não coloco mais nada. Quem quiser um algo a mais, esse miojo vai bem com um toque de shoyu, com gergelim torrado e moído (tem um moedor baratinho na Liberdade!), com lascas de bonito desidratado (procure por hana katsuo, um tipo de katsuobushi) ou com um tempero japonês apimentado da S&B, usado para dar sabor a caldos e sopas (nanami togarashi (shichimi), feito com chili, raspinhas de laranja, gergelim, pimenta japonesa, gengibre e alga)

Óleo de gergelim torrado é um ingrediente maravilhoso, vale a pena investir um pouco mais e comprar um japonês, que nada tem a ver com esses vendidos em potinhos de plástico. NADA A VER! E ainda faz uma pipoca...

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Calda de chocolate e cerveja Stout com toque de açaí - e minha pouca prática com chocolate ao leite!



Desta vez, pensei eu, vou agradar minha amiga que odeia chocolate amargo; comprei chocolate ao leite e testei mais uma daquelas combinações com cerveja. Imaginei o açúcar do chocolate, o amargor caramelado da Stout; ah, seria perfeito! Mas não foi, pelo menos, não no início... 

Não me dei conta de que o chocolate ao leite tem uma porcentagem de gordura muito maior do que os 70%, 80% que costumo usar, e a bendita trufa não se firmou, nem no freezer. Por fim, a trufa mole se mostrou uma incrível calda para sorvete, e estava densa o suficiente para ser comida de colherzinha! Vivendo e aprendendo, mas se os ingredientes usados forem bons, as chances de se encontrar um aproveitamento para o erro aumentam muito...

Não tirei foto da calda de sorvete; estas lindas bolinhas que vocês estão vendo foram feitas na semana seguinte, com chocolate 70%, o de sempre, que sempre fica bom de enrolar!

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Bolo de fubá com farinha de arroz castanho (sem leite e sem farinha de trigo - ainda testando novas farinhas...)

 

Aquele tipo de bolo perigoso, leve e perfumado, perfeito para ser beliscado enquanto se beberica algo quente ao lado da lareira, e um charme como sobremesa, acompanhado de goiabada cremosa...

Graças à farinha de arroz castanho, o bolo focou moreninho e com um ar mais sério, mas sem nenhum sabor estranho por não ter sido feito com farinha de trigo. Na verdade, até quem diz não gostar de bolo de fubá comeu -e repetiu! Gosto de assar meus bolos, principalmente os que levam farinha integral, a uma temperatura baixa, por mais tempo; sinto que ficam bem assados e com um sabor muito mais complexo!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails